.caminhos recentes

. Teste psicológico

. Mas a Maria merece

. Resignação

. Parte mais importante

. Tudo sobre peidos

. Aviso do gaucho amigo

. Caminho Molhado

. A universalidade do povo ...

. Amigos do Caralho

. Leitaria do Avante

.caminhos antigos

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.sobre mim

.mais sobre mim


.caminhos trilhados

.procurar caminho

 

.em movimento




C

A

M

I

N

H

O

S



C

R

U

Z

A

D

O

S
blogs SAPO

.subscrever feeds

Domingo, 12 de Fevereiro de 2006

No teu poema

olho.jpg


  Olá amigo(a)s! Sinto-me pouco inspirado a deixar-vos palavras da minha autoria, todavia acho este poema do José Luis Tinoco lindissimo, a mim, pelo menos, faz-me ficar num estado de tranquilidade, nostalgia e esperança tal que me leva a navegar para paragens onde os sonhos deixam de ser utopia e se concretizam... esse mundo onde tudo é possivel! Shiiiu... façam silencio, libertem a alma e contemplem-no, também aqui na belissima voz da nossa Dulce Pontes:


 No teu poema
existe um verso em branco e sem medida,
um corpo que respira, um céu aberto,
janela debruçada para a vida.
No teu poema existe a dor calada lá no fundo,
o passo da coragem em casa escura
e, aberta, uma varanda para o mundo.
Existe a noite,
o riso e a voz refeita à luz do dia,
a festa da Senhora da Agonia
e o cansaço
do corpo que adormece em cama fria.
Existe um rio,
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
existe o grito e o eco da metralha,
a dor que sei de cor mas não recito
e os sonhos inquietos de quem falha.
No teu poema
existe um cantochão alentejano,
a rua e o pregão de uma varina
e um barco assoprado a todo o pano.
Existe um rio
O canto em vozes juntas, vozes certas
Canção de uma só letra
E um só destina a embarcar
No cais da nova nau das descobertas.
Existe um rio
a sina de quem nasce fraco ou forte,
o risco, a raiva e a luta de quem cai
ou que resiste,
que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
existe a esperança acesa atrás do muro,
existe tudo o mais que ainda escapa
e um verso em branco à espera de futuro.


José Luís Tinoco

publicado por menouv às 19:59
caminho do post | adicionar aos meus caminhos
De Moon a 13 de Fevereiro de 2006 às 00:16
Já conhecia a música e o poema, ambos lindíssimos sem dúvida. Bom gosto. E anima-te... não gosto de 'ver-te' assim triste :S.
B.G.D. *****
(P.S.: depois se quiseres podes eliminar o meu link, já encerrei o blog)
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.Obrigado pela visita. Volta sempre!

menouv